CABINES DE SEGURANÇA BIOLÓGICA (CSB)

As Cabines de Segurança Biológica (CSBs) fornecem uma contenção primária eficaz para o trabalho com material infeccioso ou toxinas quando são adequadamente mantidos e usados em conjunto com boas práticas de laboratório microbiológico.
As várias classes e tipos de CSBs operam sob os mesmos princípios básicos.
A proteção pessoal é fornecida através de um fluxo contínuo de ar para dentro, conhecido como influxo, que ajuda a evitar que os aerossóis escapando pela abertura da frente.
O ar de exaustão que fica no laboratório ou enviado diretamente para a atmosfera externa passa através de alta eficiência filtros de ar particulado (HEPA) para proteger o meio ambiente. Algumas classes de CSBs também oferecem proteção ao produto usando o fluxo descendente que passou por filtro HEPA.

 

2.Classes e Descrições

2.1 Classe I

Fornecem proteção pessoal e ambiental, mas não oferecem nenhuma proteção ao produto (Figuras 1). Este tipo de CSB é comumente usada para abrigar equipamento (por exemplo, fermentadores, homogeneizadores) ou para procedimentos em que não há uma preocupação (por exemplo, mudança de gaiola).
O ar da sala é aspirado para dentro do gabinete através da abertura frontal, se move diretamente através do espaço de trabalho, e então descarregado da CSB através de um filtro HEPA. Cabines Classe I podem recircular o ar de exaustão para a zona de contenção, ou ser descarregado diretamente para a atmosfera externa. Como o ar nunca é recirculado dentro da Cabine, é possível trabalhar com segurança com pequenas quantidades de produtos químicos voláteis se a exaustão da Cabine possui dutos rígidos. Cabines Classe I são adequadas para o trabalho com o Grupo de Risco 1 (RG1), Grupo de Risco 2 (RG2) e material biológico do Grupo de Risco 3 (RG3). Cabines Classe I que são usadas para troca de gaiola pode ocorrer uma substituição de filtro mais frequente devido a saturação do filtro.
PLANILHA DAS CSBs (encaixar aqui)


Figura 1: Cabine de Segurança Biológica (CSB) Classe I

 

2.2 Cabine Classe II

Cabines Classe II fornecem proteção pessoal e ambiental; no entanto, ao contrário da Classe I, elas também oferecem proteção ao produto. As Cabines classe II são divididos em quatro tipos: A1, A2, B1 e B2.
Existem modelos mais novos que podem ser configurados como um tipo A ou um tipo B. As principais diferenças entre os tipos são as porcentagens de ar exaurido e o ar que é recirculado dentro da Cabine, e o tipo de sistema de exaustão. Algumas Cabines podem recircular ar dentro da zona de contenção, enquanto outros devem exaurir o ar diretamente para a atmosfera externa por meio de dutos dedicados. Classe II Tipo A é a CSB mais comumente encontrado em um laboratório de microbiologia.

 

Figura 2:
Cabine de Segurança Biológica Classe II B (CSB) (com Plenum Contaminado Pressurizado). A exaustão do gabinete pode ser recirculada para a sala ou expelida para a atmosfera externa através de uma conexão do tipo canopla. Sombreamento roxo indica pressão positiva e plenum contaminado.

 

Figura 3:
Cabine de Segurança Biológica Classe II A2 (CSB) A exaustão do gabinete pode ser recirculada para a sala ou expelida para a atmosfera externa através de uma conexão do tipo canopla. Cabine tem o plenum com pressão negativa.

 

Figura 4:
Ilustração de uma Cabine de Segurança Biológica Classe II Tipo B1(CSB). A exaustão da Cabine para a atmosfera externa é feita por meio de uma conexão de duto rígido, conforme mostrado. O plenum positivamente pressionado neste exemplo não está contaminado, pois o ar é filtrado antes de passar pelos ventiladores de exaustão.

 

Figura 5: Ilustração da Cabine de Segurança Biológica de Classe II Tipo B2(CSB). A exaustão da Cabine é feita para a atmosfera externa por meio de uma conexão de duto rígido, conforme mostrado.

 

Figura 6: Ilustração de um Gabinete de Segurança Biológica de Classe III (CSB). O gabinete é ventilado para a atmosfera externa por meio de uma conexão de duto rígido, conforme mostrado.

 

INSTALAÇÃO DE CSBs

 


Melhor localização das CSBs

 

Pior localização das CSBs

3. Considerações sobre luz ultravioleta

O uso de lâmpadas germicidas ultravioleta (UV) é fortemente desencorajado devido à sua pouca eficácia na desinfecção do interior das CSBs.
As pessoas que forem usar irradiação UV em CSBs devem receber treinamento sobre as práticas seguras de trabalho exigidas e os riscos de UV radiação de antemão, incluindo os seguintes elementos:

  • A irradiação UV da área de trabalho deve ser usada apenas como método secundário de desinfecção no gabinete. Nunca confie apenas na irradiação UV para desinfetar uma área de trabalho contaminada.
  • A irradiação UV é ineficaz se um microorganismo for protegido por poeira, sujeira ou matéria orgânica. Um desinfetante químico líquido deve ser o principal método de limpeza e desinfecção do interior de uma CSB.
  • A irradiação UV não penetra nas fendas nem nas grades de um CSB.
  • A irradiação UV pode causar deterioração de vários materiais, incluindo certos plásticos e tubos.
  • Nunca toque uma lâmpada UV com as mãos desprotegidas, pois os óleos naturais das mãos podem deixe uma impressão digital e crie um espaço morto na superfície da lâmpada.
  • As lâmpadas UV devem ser limpas freqüentemente com um desinfetante apropriado. • A lâmpada UV deve ser rotineiramente testada com um medidor UV para verificar se a intensidade (isto é, 40 μW / cm2) está sendo fornecida no comprimento de onda apropriado (isto é, 254 nm) no centro da área de trabalho.

 

REFERÊNCIAS

1 Government of Canada. (2015). Canadian Biosafety Standard (2nd ed.). Ottawa, ON, Canada:
Government of Canada.
2 NSF/ANSI 49-2014, Biosafety Cabinetry: Design, Construction, Performance, and Field Certification.
(2014). Ann Arbor, MI, USA: National Sanitation Foundation / American National Standards Institute.
3 Burgener J. (2006). Position Paper on the Use of Ultraviolet Lights in Biological Safety Cabinets.
Applied Biosafety: Journal of the American Biological Safety Association. 11(4): 227-230,
Retrieved 11/03, 2015 from http://www.absa.org/abj/abj/061104burgener.pdf
4 Lawrence Berkeley National Laboratory. (2010). Biosafety Manual – Appendix F: Decontamination
and Antimicrobials. Retrieved 11/03, 2015 from http://www2.lbl.gov/ehs/pub3000/CH26/
CH26_Appx_F.html
5 United States Department of Health and Human Services, United States Centers for Disease Control
and Prevention & United States National Institutes of Health (2009). Primary Containment for
Biohazards: Selection, Installation and Use of Biological Safety Cabinets (2nd ed). In Richmond,
J. Y., & McKinney, R. W. (Eds). Biosafety in Microbiological and Biomedical Laboratories (5th ed.).
Washington DC, USA: United States Government Printing Office.

 

COMPARTILHE:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *