LABORATÓRIO NB3 DE BAIXO CUSTO — UMA SOLUÇÃO PARA A PESQUISA E DIAGNÓSTICO PARA A COVID-19 E OUTRAS DOENÇAS EMERGENTES

Corona virus test - Health worker in white hazmat protective suite with swab sample for PCR DNA testing

Autor: Francisco Hernandes – Mestre em Biotecnologia pela USP

Revisão: Prof. João Camilo

Este trabalho traduz o processo de idealização, projeto e construção de um modelo de Laboratório com nível de biossegurança 3, com os requisitos de biocontenção e de baixo custo, com tecnologia nacional e pioneirismo.

Esses Laboratórios foram denominados por nós de NB3 de baixo custo, para diferenciá-los dos NB3 clássicos, nos quais as intervenções são maiores do que as realizadas nos NB3 de baixo custo.

Os Laboratórios NB3 de baixo custo foram projetados para serem Laboratórios simples, com custo inicial e operacional reduzido, porém sem perder as condições mínimas de biossegurança.

Como resultados desse trabalho foram construídos seis Laboratórios NB3 de baixo custo para o projeto VGDN da FAPESP, entre os anos de 2005 e 2008, como parte da tarefa coordenada sobre vírus respiratório, para atender uma demanda emergencial em caso da entrada no Brasil do corona vírus humano SARS e na resposta diagnóstica de uma possível pandemia de Influenza.

 

 Avaliação Comparativa de Custo entre Laboratórios NB3 Clássicos e de Baixo Custo

Na avaliação comparativa de custo entre os Laboratórios NB3 clássicos e os de baixo custo destacamos:

As diferenças de investimento inicial dos Laboratórios NB3 de baixo custo foram bastante significativas, chegando ao custo 20% de Laboratórios NB3 clássico.

Quanto a manutenção e operação, sabemos que o custo operacional do Laboratório NB3 de baixo custo é bem menor, pois os itens instalados são em menor quantidade, proporcionando uma economia significativa, já que a manutenção é o calcanhar de Aquiles de muitas unidades de saúde na área pública.

A implantação de laboratórios com níveis de biossegurança 3 se justifica pelo fato de serem encontrados, ainda hoje, em amostras de sangue de funcionários de Laboratórios, vírus por eles manipulados. Isso ocorre mesmo quando essas pessoas não foram vítimas de nenhum acidente com perfurocortantes ou absorção pelo contato com a pele. Fatos como esses evidenciam que, no conjunto de condicionantes desse tipo de contaminação, os ambientes e as edificações desempenham um papel relevante, uma vez que a contenção primária, feita pelos equipamentos de proteção individual – EPI e pelos equipamentos de proteção coletiva – EPC, não foram suficientes para evitar a contaminação. A comunidade científica tem constatado a inadequação dos atuais laboratórios a esses tipos de risco aos agentes infecciosos.

O que motivou o desenvolvimento deste trabalho foi a discussão das condições de biossegurança nas instituições de ensino, pesquisa, desenvolvimento tecnológico e de prestação de serviços, causada pelo comportamento diversificado das doenças infecciosas. O manejo e a avaliação de riscos foram fundamentais para a definição de critérios e ações, e tiveram por objetivo minimizar os riscos que podem comprometer a saúde do homem, dos animais, do meio ambiente ou a qualidade dos trabalhos desenvolvidos, e foram também importantes para visualização espacial da análise do projeto, como um dos parâmetros principais para garantir a biossegurança em tais ambientes de trabalho.

Os projetos dos Laboratórios NB3 de baixo custo implantados pelo programa VGDN da FAPESP, mostrou que é possível construir uma rede de Laboratórios de biocontenção voltados para responder rapidamente às doenças emergentes, com um custo baixo em relação aos Laboratórios NB3 clássicos.

A experiência obtida na implantação da rede de Laboratórios NB3 de baixo custo no Estado de São Paulo permitiu o desenvolvimento de um sistema único de despressurização de ambientes laboratoriais, com tecnologia totalmente nacional e de fácil instalação, operação e manutenção.

O sistema desenvolvido neste trabalho garante todas as condições de biossegurança oferecidas pelos sistemas clássicos de NB3, com a vantagem de poder ser implantado em áreas laboratoriais preexistentes, exigindo mínimas adequações de construção civil.

O Laboratório NB3 de baixo custo é uma ferramenta bastante acessível a todos que hoje trabalham com agentes de risco biológicos, pelas suas características de baixo custo e simplicidade. E eles estão sendo usados hoje ´para pesquisa e diagnóstico da Covid-19.

 

A seguir alguns comentários de Professores e Pesquisadores que conhecem o nosso trabalho:

“O Laboratório de Retrovirologia instalado no prédio de pesquisas clínicas I da Disciplina de Infectologia da UNIFESP, inaugurado em 1988, um dos primeiros laboratórios de nível de segurança P3 em nosso meio, foi construído pela empresa do engenheiro Francisco Hernandes e tem sido utilizado com sucesso em vários projetos de pesquisa. O laboratório tem sido muito útil agora na pandemia do Covid-19, funcionando perfeitamente. Também tem sido de grande utilidade a unidade de pressão negativa da enfermaria da Disciplina de Infectologia da UNIFESP no Hospital São Paulo no atendimento de pacientes com Covid-19. Essa unidade também foi construída pela empresa do Sr. Francisco, e foi a primeira no país com essa característica. Na ocasião alertávamos para a necessidade de estarmos preparados para situações como a atual com microrganismos desconhecidos que necessitariam de instalações especiais para o seu estudo e atendimento a eventuais pacientes. A colaboração do Sr. Francisco foi essencial nos nossos projetos com apoio do CNPq/FINEP/FAPESP.”

Prof. Dr. Antônio Carlos Campos Pignatari

Prof. Titular da Disciplina de Infectologia da UNIFESP